sábado, 17 de março de 2012

Super-heróis de quadrinhos mal adaptados

Eu sempre fui fã de quadrinhos.
A maioria de filmes baseados neles me deixam feliz.
Já outros...
ME DEIXAM MUITO PUTO!
Tudo porque o diretor prefere pôr sua versão artística em cada personagem.
Joel Schumacher e cia., espero que depois desse artigo, nunca mais destruam uma mitologia de heróis.
Deus, como eu odeio Batman & Robin.
E que Deus tenha piedade da nossa alma.
Batman
Por essa você não esperava, né?
Quer dizer, adoro a atuação de Adam West. Sabe, um Batman gordinho com orelhas de gato, uniforme de cores berrantes e que atuava com um Robin magrinho e frágil é muito raro de se ver.
A Warner Bros., atual dona dos direitos autorais do Cavaleiro das Trevas, teve a ideia de produzir um filme live-action, e chamou Tim Burton, na época diretor de Beetlejuice. Para mostrar o quanto estava grato pela contratação, Burton decidiu chamar o palhaço ator Michael Keaton, que foi considerado uma escolha patética.
Mas o que ganhamos foi isso:
Claro, Michael Keaton foi o melhor Batman. Além de ter dado a ideia da série animada do Batman, repetiu seu consagrado e sombrio papel em Batman: O Retorno, o que foi criticado pela horrenda aparência do Pinguim (interpretado pelo veterano Danny DeVito).
Logo depois, Joel Schumacher assumiu a cadeira de diretor enquanto Burton ficou só na produção. Porém Michael Keaton não quis reprisar pela terceira vez o homem morcego.
Então, Schumacher decidiu chamar Val Kilmer. E o resultado foi esse:
Além do péssimo hábito de manter um capuz em que mal pode-se mover a cabeça, o diretor teve a ideia imbecil de inserir mamilos e os horrendos closes na bunda do herói. Entre isso, houve brigas entre Kilmer e Schumacher, na qual o diretor alegou que o ator era muito "mauricinho", o que fez Val Kilmer pular fora do projeto "Batman & Robin".
Batman Eternamente é colorido em algumas cenas, mas sabe ser sombrio, especialmente na origem do Charada. Claro, quem mais, além do Jim Carrey, inventaria um liquidificador que faz lavagem cerebral e transformam seus usuários em malucos magrelos com cabelos cor de cenoura e um traje com um mar de pontos de interrogações?
...
Talvez o Marilyn Manson, mas ele não duraria muito.
Enfim, o estúdio gostou do filme e permitiu que Joel Schumacher fizesse o que desse na telha.
Péssima ideia, porque surgiu o filme que foi cometido, não filmado:
BAT-PLANTÃO MÉDICO!!
Sim, George Clooney está em um dos seus momentos mais tenebrosos da sua carreira. Além do visual excessivamente carnavalesco e mais colorido que um episódio de iCarly, o diretor repetiu a irritante dose de mamilos salientes. E ainda há briguinhas tolas e totalmente gays entre Batman e... Asa Noturna??
Meu Deus, se isso foi pior, nem imagino como foi durante as filmagens.
Aposto que Schwarzenegger deve ter suado pra caramba naquela armadura de robô com direito a luzinhas azuis, como se fosse aquelas fantasias de criança.
Aliás, já que falei do Robin...
Robin
Robin foi criado para dar um contraste nas histórias dark do Batman.
De fato, colocar Dick Grayson, um garoto órfão de trapezistas mortos para ser o Menino-Prodígio foi, de fato, uma coisa de louco!
Qualquer garoto mataria os próprios pais só pra ser ajudante do Cavaleiro das Trevas.
Aí, então, Dick Grayson não quis mais ficar na sombra do Batman, e decidiu ser o Nightwing. E então, os criadores puseram Jason Todd, um adolescente tão xarope que foi morto pelo Coringa, o que nos fez chorar de felicidade.
Mas aí, criaram Tim Drake.
E o resto é história.
Após o sucesso de Batman: O Retorno, Tim Burton disse que no próximo filme ficaria só de produtor. Aí, o pessoal da Warner Bros. chamou um certo diretor conhecido como Joel Schumacher para fazer Batman Eternamente.
Porém, quando Schumacher quis dar vida ao Robin, tudo que eu vi foi isso:

Agora, pare um pouco de olhar para os mamilos do rapaz e preste atenção no que realment interessa.
Bom, não tenho nada contra Chris O'Donnell, ele é um bom ator, mas francamente... precisava apelar pra ele, Schumacher?
Em Batman Eternamente, Dick Grayson não é mais um garoto órfão, mas um marmanjão mulherengo que chorou ao ver seus pais mortos pelo Duas-Caras.
Espera aí, o que??
Muita gente ficou confusa, inclusive os fãs do morcego, pois achavam que o Anthony Zucco mataria os Graysons Voadores.
Mas tudo bem, é o filme do Schumacher, fazer o quê?
Então, o filme fez sucesso mesmo assim, e Joel Schumacher deu vida à Batman & Robin.
E aí...
No filme, Joel Schumacher misturou a personalidade de Jason Todd com o traje do Asa Noturna (que é um dos mais legais, se não fossem os mamilos salientes). Claro, o filme foi totalmente mal-falado pela crítica e pelo mundo por causa do filme ser muito mais gay e colorido, mas elogiado por ser uma homenagem moderna à série dos anos 60, o que fez qualquer filme futuro do Batman ser negado.
Raios, até mesmo Batman Eternamente era colorido, mas não em excesso.
Fora o fato do Duas Caras ter surgido por causa de um café, o filme é impressionante.
E é nesse momento que devemos agradecer a Joel Schumacher porque, por causa dele, agora temos Batman Begins.
Eu quero morrer.
O Máskara
Eu vou dizer, adorei a performance de Jim Carrey no filme baseado no gibi.
E era evidente que o filme era pra ser de terror, segundo o diretor Chuck Russell.
Nos quadrinhos, O Máskara (ou Big Head, como é chamado) é um assassino psicopata frio e calculista.
A máscara de Jade (que não é de viking como nos filmes) já passou na mão de muita gente, inclusive na do Coringa.
Já encheu o saco do Lobo, do Coringa e do Batman, o que mostra que ele é um indivíduo super corajoso.
Quando soube que ia sair a sequência do filme O Máskara, eu fiquei histericamente surpreso.
Aposto que vocês também ficaram.
Mas aí, me decepcionei por isso:
Pois é, ele agora tem orelhas.
E um cabelo de plástico.
E ainda puseram o Randy (Jamie Kennedy) do filme Pânico, o Noturno (Alan Cumming) de X-Men 2 e o Eddie Valliant (Bob Hoskins) de Uma Cilada para Roger Rabbit para fazer essa bomba.
Às vezes as piadas se escrevem sozinhas.
Vamos para o próximo.
Demolidor
Mais cego que juiz de futebol...
Mais corajoso que Ed Wood...
Mais bizarro que... o Bizarro!
É o...
DEMOLIDOR!
O HOMEM SEM MEDO!
De fato, a onda dos filmes de quadrinhos estava bombando no mercado, e aí viram o Demolidor.
E...
Não tenho absolutamente nada contra Ben Affleck. Adoro sua performance e a sua sorte por ter dado uns pegas na Jennifer Garner.
Como se não fosse novidade...
De fato, a versão cinematográfica do Demolidor o deixa mais parecido com o Capitão América, pois ele era uma versão demoníaca do Batman.
Claro, ele entrava em conflito com Elektra Natchios, além de ser inimigo proclamado de John Coffee.
Mas então, ele não tem mais olhos vermelhos.
Olhe bem pra foto.
Não parece que ele ficou sem olhos após o acidente?
E, é estranho que, para um cego, ele enxerga tão bem a ponto de ver a arma da Elektra quase perfurar seu crânio, o que mostra que ele é um cego impostor.
E isso é tudo, pessoal.
Continuem lendo quadrinhos, assistindo os filmes (por mais tenebrosos que sejam) e amem as gostosas coadjuvantes (Halle Berry, é com você mesma que estou falando!)
Até a próxima!

2 comentários:

  1. Nunca fui muito ligada nesses desenhos não.

    ResponderExcluir
  2. Não são desenhos, são histórias em quadrinhos

    ResponderExcluir