sábado, 19 de novembro de 2011

Filmes que jamais deveriam ter sido feitos

Hoje em dia, Hollywood leva a sério o lema "o show deve continuar". Tão a sério que produzem filmes que fazem a gente se arrepender de ter gasto o dinheiro que matamos para conseguir. Às vezes, o filme é bom, mas é precário em algumas partes. Em pleno século 21, os Hollywoodianos não fizeram o dever de casa e criaram bombas que faz a gente explodir de agonia (lamento pelo trocadilho idiota). Então, hoje falarei dos filmes podres e explicarei detalhes detalhados...
PERAÍ, JÁ VIRAM O QUE EU ACABEI DE DIZER?
EU DISSE "DETALHES DETALHADOS"!!!!
HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!!!
Bem, é melhor irmos logo com isso...
O FILHO DO MÁSKARA (Son of the Mask, 2005)
Do diretor do infrutífero Como Cães & Gatos, essa sequência do filme O Máskara é mais uma daquelas provas de como NÃO fazer uma sequência. Porra, eu queria que o Jim Carrey estivesse numa sequência melhor, mas aí convocaram o Jamie Kennedy de Pânico, Alan Cumming de X-Men 2 e Bob Hoskins de Super Mario Bros. Já que o Máskara desapareceu na versão em desenho, a máscara viking é do aspirante a cartunista e intérprete da Tartaruga Torpedo... Tim Avery (uma versão mais aparvalhada de Tex Avery), que está com sérios problemas em ter um filho com a gostosa Tonya (Traylor Howard, de Eu, Eu mesmo & Irene). Então, quando Otis (uma versão totalmente cartunesca do cachorrinho Milo) encontra a máscara, Tim a põe e acidentalmente "cria" um filho.
Vamos parar nessa parte para analisar um fato irônico:
No filme original, foi feito uma cena em que três espermatozóides apostavam corrida sobre quem chegava primeiro ao óvulo. A cena engraçada foi cortada até mesmo do DVD, porém foi exibido uma única vez quando o filme deu as caras no SBT. Engraçada demais para um filme-família que Lawrence Gutterman devia ter deixado para Chuck Russell.
O GATO (Dr. Seuss' The Cat in the Hat, 2003)
Após O Grinch de Jim Carrey ter feito um fracasso nos cinemas, a bola da vez foi o famoso Gato da Cartola do escritor Dr. Seuss. O diretor desse projeto de bosta é Bo Welch (que já participou de filmes de Tim Burton, como Beetlejuice e Batman), que fez o filme da maneira que quis: em um momento do filme, o Gato fala um palavrão que jamais estava no livro, que é direcionado às crianças.
Ah, antes de eu falar o palavrão, tirem as crianças da sala.
E RÁPIDO, ANTES QUE VOCÊ SEJA ESPANCADO (A) PELA BELA SAM PUCKETT!!
O palavrão que ele disse foi "filho da p%$&", pois o famoso "beep" cobriu a última palavra. Bem, se ainda quiser ver esse filme feito pelo Austin Powers, olhe LONGE dos filhos. MUITO longe, MESMO!
HOWARD, O SUPER-HERÓI (Howard the Duck, 1986)
O primeiro filme baseado nos quadrinhos da Marvel foi muito mal-recebido.
Então, você diz: "Mas, Eufrazino, essa porra de pato existe?"
A resposta é simples, meu caro amigo (ou amiga) infrutífero(a) e sem-cultura: Howard o Pato é uma espécie de Pato Donald mais adulto, na visão dos desenhistas da Marvel.
Pois é, George Lucas! Você foi mais aproveitado em Star Wars do que nesse filme trash.
E isso é tudo pessoal!

Nenhum comentário:

Postar um comentário